Hey, I'm not kidding, you gotta turn the lights down.

Posted by TELEMAQUIA in


The end of our elaborate plans.

Luz e morte

Posted by F. F. in ,

Frida Kahlo
Autorretrato en la frontera entre el abrazo de amor de el universo, la tierra (Mexico), yo, Diego y el señor Xótotl (1949)
Collección de Jacques y Natasha Gelman
Ciudad de México, México

1922- 2010

Posted by TELEMAQUIA in

Encontrou-o. Seis vezes passara por Lisboa, esta era a sétima. Vinha do sul, dos lados de Pegões. Atravessou o rio, quase noite, na última barca que aproveitara a maré. Não comia há quase vinte e quatro horas. Trazia algum alimento no alforge, mas, de cada vez que ia levá-lo à boca, parecia que sobre a sua mão outra mão se pousava, e uma voz lhe dizia, Não comas, que o tempo é chegado. Sob as águas escuras do rio, via passar os peixes a grande profundidade, cardumes de cristal e prata, longos dorsos escamosos ou lisos. A luz interior das casas coava-se através das paredes, difusa como um farol no nevoeiro. Meteu-se pela Rua Nova dos Ferros, virou para a direita na igreja da Nossa Senhora da Oliveira, em direcção ao Rossio, repetia um itinerário de há vinte e oito anos. Caminhava no meio de fantasmas, de neblinas, que eram gente. Entre os mil cheiros fétidos da cidade, a aragem nocturna trouxe-lhe o da carne queimada. Havia multidão em S. Domingos, archotes, fumo negro, fogueiras. Abriu caminho, chegou-se às filas da frente, Quem são, perguntou a uma mulher que levava uma criança ao colo, De três sei eu, aqueles além são pai e filha que vieram por culpas de judaísmo, e o outro, o da porta, é um que fazia comédias de bonifrates e se chamava António José da Silva, dos mais não ouvi falar.

São onze os supliciados. A queima já vai adiantada, os rostos mal se distinguem. Naquele extremo arde um homem a quem falta a mão esquerda. Talvez por ter a barba enegrecida, prodígio cosmético da fuligem, parece mais novo. E uma nuvem fechada está no centro do seu corpo. Então Blimunda disse, Vem. Desprendeu-se a vontade de Baltasar Sete-Sóis, mas não subiu para as estrelas, se à terra pertencia e a Blimunda.

José Saramago, Memorial do Convento

V Encontro de Música Tradicional Minhota

Posted by F. F. in , ,

(clique na imagem para maior resolução)

O Homem sem Nome... 1943 - 2010

Posted by TELEMAQUIA in

O Sol, um enorme disco vermelho, tocava o horizonte. No oásis tudo se aquietara, animais e plantas, sentindo os dedos da noite que chegava.

Rashid estendeu no chão o tapete das orações. Os seus olhos viraram-se para o deserto.

Como hei-de eu viver, agora? Com que palavras posso rezar?

Ajoelhou fitando o Sol e as suas mãos ergueram-se lentamente, fazendo o gesto ritual.

Tu, Devaiah, és Deus.
Tu vives e sorris em nós,
em cada gota do nosso sangue,
em cada lágrima do nosso pranto.

Feira do Livro Manuseado da Assírio & Alvim

Posted by F. F. in

(clique na imagem para maior resolução)

Sobre as línguas mortas

Posted by Actia in ,

" é necessário ir às duas línguas mortas; é importante que estejam mortas, porque através da sua morte recebemos a nossa herança - o facto de estarem mortas em si próprio não lhes daria valor, independentemente do facto de que todos os povos da Europa são seus beneficiários."


T.S. Eliot, "O que é um clássico?" , in Ensaios Escolhidos, trad. Maria Adelaide Ramos, Cotovia, 1992

Música no Eclesiastes

Posted by f. in ,

 Judy Collins - Turn, turn, turn

1 Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu.
2 Há tempo de nascer, e tempo de morrer; tempo de plantar, e tempo de arrancar o que se plantou;
3 Tempo de matar, e tempo de curar; tempo de derribar, e tempo de edificar;
4 Tempo de chorar, e tempo de rir; tempo de prantear, e tempo de saltar;
5 Tempo de espalhar pedras, e tempo de ajuntar pedras; tempo de abraçar, e tempo de afastar-se de abraçar;
6 Tempo de buscar, e tempo de perder; tempo de guardar, e tempo de deitar fora;
7 Tempo de rasgar, e tempo de coser; tempo de estar calado, e tempo de falar;
8 Tempo de amar, e tempo de aborrecer; tempo de guerra, e tempo de paz.

Eclesiastes 3:1 
Bíblia Sagrada - Tradução de João Ferreira de Almeida

Eyes Wide Shut

Posted by F. F. in , ,


O compositor, músico, letrista e por vezes cantor Idan Raichel é um israelita atípico: judeu, mas de dreadlocks e com uma “mão de Fátima” (símbolo muçulmano) ao pescoço, sinais da sua abertura de espírito e musical. No CD de estreia homónimo, em 2007, juntou 70 artistas de todo o mundo para com ele partilharem uma visão global, pacifista e comum da música e da sociedade. Within My Walls é uma continuação coerente desse processo: muita gente envolvida – com destaque para Mayra Andrade –, menos electrónicas, mais rock ligeiro, suaves incursões no klezmer, na morna e na música iemenita, e a mesma mensagem: israelitas, árabes, africanos e latino-americanos irmanados num mesmo desejo de paz.

Fonte: Time Out


A ouvir:
Odjus Fitxadu (Crioulo de Cabo Verde)
Siyaishaya Ingoma
(Zulu)
Im Telech
(Hebraico)
Todas Las Palabras
(Castelhano)

Festival da Máscara Ibérica

Posted by f. in ,

V Desfile da Máscara Ibérica
22 de Maio, 16h30
– Praça do Município, R. Augusta, Rossio

Terminus

Posted by C. in

It is time to be old,
To take in sail:--
The gods of bounds,
Who sets to seas a shore,
Came to me in his fatal rounds,
And said: 'No more!
No farther shoot
Thy broad ambitious branches, and thy root.
Fancy departs: no more invent;
Contract thy firmament
To compass of a tent.
There's not enough for this and that,
Make thy option which of two;
Economize the failing river,
Not the less revere the Giver,
Leave the many and hold the few.
Timely wise accept the terms,
Soften the fall with wary foot;
A little while
Still plan and smile,
And,--fault of novel germs,--
Mature the unfallen fruit.
Curse, if thou wilt, thy sires,
Bad husbands of their fires,
Who, when they gave thee breath,
Failed to bequeath
The needful sinew stark as once,
The Baresark marrow to thy bones,
But left a legacy of ebbing veins,
Inconstant heat and nerveless reins,--
Amid the Muses, left thee deaf and dumb,
Amid the gladiators, halt and numb.'
As the bird trims her to the gale,
I trim myself to the storm of time,
I man the rudder, reef the sail,
Obey the voice at eve obeyed at prime:
'Lowly faithful, banish fear,
Right onward drive unharmed;
The port, well worth the cruise, is near,
And every wave is charmed.'

Ralph Waldo Emerson, Selected Poems

O Ocidente perdeu a vontade de viver

Posted by Correspondente in

Despedida (fr. 94 PLF)

 
Morrer, é isso que quero: não estou a fingir.
Ela despedia-se de mim com muitas lágrimas


E ainda me disse
“Ai, que coisas terríveis nós sofremos,
Ó Safo! É contra a minha vontade que te deixo.”

A ela respondi estas palavras:
“Vai, sê feliz e lembra-te
de mim. Pois sabes como te amei.

Se não sabes, quero eu agora
recordar-te…
…as coisas belas que experimentámos.

Com muitas grinaldas de violetas
e de rosas e de açafrão conjuntamente
… tu punhas ao meu lado;

e muitas grinaldas entretecidas
atiraste em torno do meu macio pescoço,
grinaldas entretecidas com flores;

e com abundante… perfume
floral…
digno de uma rainha te ungiste;

e numa cama macia
suave…
satisfazias o desejo…

e não havia…
altar…
de que estivéssemos ausentes;

nem bosque…dança
…som.


Safo; trad. Frederico Lourenço

Quem, ó Safo, que cantavas o amor,
a família, a amizade, a beleza e o respeito,
te destruiu a obra?

Sobre o Holocausto

Posted by F. F. in ,



Jay Black - Vi iz dus geseleh

Religare

Posted by C. in ,

"O Papa que vem a Portugal é o chefe de uma Igreja fragilizada pela 'crise da pedofilia'. Mas, da mesma maneira que não se pode culpar a Igreja no seu todo pelos crimes de alguns, também seria um erro limitar o pontificado de Bento XVI a este tema. Contrariamente ao seu predecessor, Bento VXI não é um homem de multidões, um Papa missionário que leva a palavra divina aos quatro cantos do mundo. É um homem da escrita, da reflexão, do isolamento necessário à meditação. Num mundo em que a imagem é rei, Bento XVI surge como um homem cada vez mais só. Mas não se trata apenas de estilo: Bento XVI, alemão e ocidental, é o homem do combate ao esvaziamento religioso, à indiferença, ao relativismo cultural e perda de referências. É um combate difícil, porque se situa no terreno movediço da fé e dos valores e que se desenrola numa parte do mundo - o Ocidente europeu - que perdeu a vontade de viver. O homem que vem a Portugal não é apenas mais um Chefe de Estado. É também o chefe de uma instituição milenária que estruturou o que é hoje o nosso modo de vida neste canto do planeta. Os que nele não vêem senão crimes esquecem que algumas coisas boas, como a liberdade, também estão na base deste mundo. E esquecem também que o homem que aqui vem representa mil milhões de pessoas por todo o mundo, alguns dos quais em Portugal. [...]"

Esther Mucznik, Vice-presidente da Comunidade Israelita de Lisboa
Revista Única, Expresso #1958, 8 de Maio de 2010, p. 37

E os rebanhos são os meus pensamentos

Posted by F. F. in

I built my cottage among the habitations of men,
And yet there is no clamor of carriages and horses.
You ask: "Sir, how can this be done?"
"A heart that is distant creates its own solitude."
I pluck chrysanthemums under the eastern hedge,
Then gaze afar towards the southern hills.
The mountain air is fresh at the dusk of day;
The flying birds in flocks return.
In these things there lies a deep meaning;
I want to tell it, but have forgotten the words.


"Drinking Poem", Tao Qian. Tr. Tony Barnstone and Chou Ping

Fonte: China The Beautiful