Truth or tales

Posted by TELEMAQUIA in

Gigantes, sereias, animais mitológicos, cenas do bosque encantado e cidades em miniatura, juntam-se numa exposição que apresenta 106 originais de ilustração feitos por 29 autores finlandeses de livros para a infância. Os visitantes são convidados a entrar nos espaços do imaginário dos contos através de uma cenografia construída a partir das ilustrações expostas, Dirigida a todo o público, mas concebida especialmente para o público infantil e famílias, a exposição proporciona uma viagem fascinante ao universo singular das fábulas e das narrativas infantis.

Galeria do Palácio Galveias.
Até 25 de Janeiro.

Fonte: Agenda Cultural de Lx, Janeiro

This entry was posted on quinta-feira, 22 de janeiro de 2009 at quinta-feira, janeiro 22, 2009 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

4 comentários

F.F.  

Penso que o Christopher e o André também têm exames, andam muito caladinhos. :)

20 de janeiro de 2009 às 10:49
christopher trust  

hi...

não estou não.

aqui vai:

Neste espaço restringido
pela nostalgia que o tempo
outrora sepultou,
breu ondulante de chamas decadentes,
repousam primórdios difíceis de extinguir.
Entre sombras perdidas,
abandonadas sobreviveram
de uma única pulsão,
comunicam em desalinho
desafiadas pela ambição antiga
recolhida de um silêncio
coroado de frémito
intendível apenas neste espaço
separado do corpo.
Procuram no fogo extincto
a melodia futura
capaz de difundir a sua eternidade.
Ocultas,
num verso cadavérico e mutilado,
punhal musical escondido
nessa lira pérfida,
ódio ressuscitado neste retorno
voluntário às trevas.
Acabou Orfeu o canto desfeito...

20 de janeiro de 2009 às 19:38
christopher trust  

Por acaso até tenho uns trabalhos para entregar...


até a fábrica de Bordalo querem fechar...se ao menos fosse um banco!!! quem será o nosso Obama... Allegre?

20 de janeiro de 2009 às 19:41
André A.  

ils y étaient deux,
au bal-des-cons,
et regardaient sans vouloir danser.
L'envieux soutenait secretement
le peureux qui y renonçait.
Ils témoignent pendant l'attente
le seul instant possible
un peut-être irrésolu...
la naissance d'uns danse
un gout inconnu de méfiance
le regard s'en empare en absolu...
ils se cachent
l'enclot se renferme autour d'eux
Tout s'efface, ils sont égarés
sans cepandant sortir de leur balcon
quels cons! tout près...
Ils se détachent de tout pensée
vides et saisis par l'échafaud...

salut F.F.

20 de janeiro de 2009 às 22:19

Enviar um comentário