Vindo do "Último Canto de Odisseu"

Posted by TELEMAQUIA in

Terceiro

o sol que reveste este rosto em devir fracção
de fogo roubada à natureza despida
numa oração divinal toca a mão dos céus e aguarda
o ocioso espírito da ondulação Há na madrugada uma
mágica percepção da luz um tempo onde
a memória
se trai em sussurrantes versos A cada novo sol
aguardo o retorno do barco e no papel fica
escrito o recado sem morada

Já se passaram quase vinte anos e ainda
não aprendi a beijar o teu rosto Fizeste-te passageiro do tempo
dos apaixonados pelo mar
pela aventura dos que amam incondicionalmente
no anoitecer da cidade Em ti nasci como homem
como amante da humanidade distinto vigilante
das estrelas dos oceanos e da cidade em ti
meu filho
amadureceram todos os poemas E enquanto
viajo enquanto esta saudade me corrói os ossos
enfraquecidos pelo pecado sei-te ao meu lado sei-te
nómada neste vastíssimo universo e sei
vivi o tempo suficiente para te ensinar o ofício da constelação
o grito da palavra dentro da cabeça dos deuses Se um dia
nos voltarmos a ver irei admirar a infindável sílaba
dos oceanos a tua memória que ecoa fértil em cada ilha
em cada voo das aves E sei o que mais quero
é que ainda estejas vivo Nada me iria causar maior dor
do que ter sobrevivido a ti do que ter resistido
ao chamamento do abismo e tu não Preciso-te vivo
preciso adormecer sabendo-te onde me esqueci do
amor
onde o vinho tem o sabor dos corpos e a vertiginosa insónia
se reduz na travessia do sangue Digo isto
sem decidir partir por fim sem abdicar desta solidão crepuscular

Meu filho
um dia ergueremos juntos a palavra no abismo

Sabes que o pai te ama


Rui Alberto, Parabola Abyssus

This entry was posted on sábado, 10 de janeiro de 2009 at sábado, janeiro 10, 2009 and is filed under . You can follow any responses to this entry through the comments feed .

2 comentários

uma honra, partilhar este espaço. abraços.

3 de janeiro de 2009 às 16:45
F.F.  

Não sei porquê senti bater-me de leve a herança judaico-cristã.

6 de janeiro de 2009 às 09:57

Enviar um comentário